Carros campeões… em pinturas

Publicado: 24/08/2010 por Vitor, o de Recife em História da F1
Tags:, ,

“Carro bonito é carro que vence”. Todo mundo conhece este chavão do automobilismo, mas sinceramente não correponde à realidade. Primeiro porque tem alguns carros campeões que não fazem jus à frase: aquela Renault campeã de 2005 e 2006, por exemplo, é de um mau gosto… se bem que eles fariam pior em 2008 e 2009…

Segundo, há alguns carros que decoram o fim do grid com uma verdadeira aula de bom gosto. Pelo que pude notar na enquete feita pelo nosso colega Tomás Mota, Lotus e Virgin caíram no gosto da maioria dos fãs da F1 como os carros mais bonitos da temporada. Beleza inversamente proporcional ao desempenho das pistas.

A seguir, 5 exemplos de que carro bonito não é sempre aquele que ganha. Um pequeno desfile de carros que não mostraram grande desempenho nas pistas, mas pelo menos não fizeram feio nas fotos…

Arrows, 1979

A Arrows teve uma longa história na categoria, começando em 1978 e findando em 2002, atingindo seu auge em 1988 com uma honrosa 4ª posição no mundial de construtores. Porém, o ano 1979 teve mais destaque com a belísima pintura dourada proporcionada pelo patrocínio da cervejaria alemã Warsteiner do que com os resultados. O piloto da equipe, o italiano Riccardo Patrese, conseguiu marcar apenas dois pontos na temporada, com um quinto lugar no GP da Bélgica, circuito de Zolder. De 15 etapas na temporada, o carro conseguiu terminar apenas 6.

Minardi, 1985

Em 1985, Giancarlo Minardi concretizaria o seu sonho de montar uma equipe na F1. Como toda temporada de estreia, foi um ano complicado: das 16 etapas do calendário, o piloto Pirluigi Martini só conseguiu terminar três, tendo como melhor resultado um oitavo lugar no GP da Austrália,  circuito de Adelaide, última corrida da temporada. Detalhe: só oito carros terminaram a prova; Martini terminou à quatro voltas do líder.

A equipe conseguiu pequenas glórias ao longo de sua história, como o segundo lugar no grid do Gp de Phoenix em 1990. Com o passar dos anos, virou sinônimo de equipe nanica, se destacando apenas como lançadora de pilotos, como Fischella, Webber e, o mais bem sucedido, Alonso.

Arrows, 1998

1998 foi o ano das belíssimas flechas de prata da McLaren, que levaram o título com Mika Hakkinen. Mas lá atrás, um belo carro se destacava, pelo visual, claro. Eram os T2-F1 da Arrows, conduzidos pelo finlandês Mika Salo e o piloto pag…, digo, brasileiro Pedro Paulo Diniz. Mais uma vez empurrados pelos fraquíssimos motores Yamaha , não fizeram uma grande temporada, sofrendo com muitos problemas de confiabilidade ao longo do ano. Mas ainda assim conseguiram marcar pontos em duas oportunidades: com os dois carros em Mônaco (Salo em 4º, Diniz em 6º) e na Bélgica um quinto lugar com o brasileiro. É bom frisar que as duas corridas foram verdadeiras provas de resistência: em Mônaco, apenas 12 carros terminaram, apenas quatro na volta do líder, Hakkinen; já em Spa, Damon Hill e Ralf Schumacher obteram uma improvável dobradinha em uma prova disputada sob um dilúvio que teve como destaque o bizarro acidente entre Coulthard e Michael Schumacher. Apenas oito carros completaram a prova.

Prost, 2000

Em 1997, o tetracampeão Alain Prost adquire os espólios da falida Ligier e vai atrás dos seus sonhos de construir sua própria equipe. A partir de 1999, o time passa a contar com os fortes, mas pouco resistentes, motores Peugeot. No ano seguinte, os propulsores franceses só mantém o segundo atributo. Com um chassi também não muito favorável e contando com os serviços do veterano Jean Alesi e o recém campeão da F-3000, Nick Heidfeld, a equipe é presença constante na rabeira do grid e termina o ano sem marcar um mísero ponto. Foi a penúltima temporada dos belos carros azuis na categoria.

Jordan, 2004

A Jordan foi mais uma das equipes que emergiram de categorias de base para a F1. Quando se relaciona a equipe com o quesito “carros bonitos”, é inevitável lembrar o belo modelo verde de 1991, com patrocínio do refrigerante 7up e que também foi a primeira experiência de Michael Schumacher na F1, já impressionando com um 7º lugar no grid em sua única corrida pela equipe, em Spa. Também surgirão referências aos carros amarelos patrocinados pelos cigarros Benson & Hedges, que sempre criavam expectativas sobre qual bicho estaria estampado no bico: uma serpente, uma vespa, um tubarão? Essas pinturas também marcaram o melhor período da equipe na F1, pois a partir de 2000 a Jordan começou a declinar, principalmente com o fim do suporte da Honda em 2002. Em 2004, com motores Ford, a equipe luta para sobreviver na categoria, assim como o alemão Nick Heidfeld. O segundo cockpit é ocupado por pilotos pagantes: Giorgio Pantano e Timo Glock. Em 2005, Heidfeld se salva; a Jordan não: é vendida para um obscuro grupo russo e renomeada como Midland e sendo passada de mãos seguidamente até ser adquirida por Vijay Mallya formando a atual Force India.  Apesar da aparente pobreza em patrocínios, a simplicidade do amarelo e preto somadas às criativas mensagens na lateral do carro de 2004 fizeram deste pobre bólido um belo monoposto.

E aí, gostaram? Para você, qual carro, incluso ou não nesta lista, não foi vencedor nas pistas mas sim no visual?

comentários
  1. Mari Espada disse:

    Realmente carro bom não é sinônimo de carro bonito!

    Em minha opinião, o RB6, por exemplo, é um dos mais feios do grid. Assim como o uniforme de seus pilotos.
    E concordo plenamente quando você citou o Renault campeão de 2005 e 06. Sem deixar de fora aquela “roupa de palhaço” que o Alonso usava como uniforme, né?
    Mas a Renault se redimiu em 2010… acho fantástica a pintura amarela com os patrocínios em preto!
    Da mesma forma que acho maravilhoso o Virgin! A Lótus também! Pode-se dizer que essas duas já são unânimes no gosto pop, né?

    Porém, como você deve ter visto no meu artigo sobre a identidade visual da McLaren, eu não vejo a hora de “um certo carro laranja” alinhar no grid! Aí não vai ter pra ninguém! =)

    Dentre esses carros que você citou no post, que são todos lindos, o meu preferido é o Minardi de 85.
    Acho que eu gosto mesmo de carros amarelos! Talvez por ter o mesmo “efeito de destaque” dos antigos carros do Sr. Bruce McLaren…..

    Aliás Vitor, parabéns pela coletânea de fotos de muito bom gosto!

    Beijos, até mais!

    • Para o seu laranja voltar a F1 Mari, a equipe tem que mudar o patrocinador principal que é a Vodafone, que usa o vermelho que você tanto adora contrastando com o prata.

      Mas enquanto estiver por lá a empresa de telefonia isso nunca irá acontecer.

      Motivo?

      A Orange é uma das concorrentes da Vodafone na Europa, e como já diz o nome, laranja.

      • Eduardo De Campos disse:

        Ou quem sabe um patrocínio da Fanta Laranja, Sukita, Crush (ainda existe?)…

      • Vitor, o de Recife disse:

        KKKKKK, Crush é das antigas! Gostava muito, Crush e Guaraná Fratelli (creio que este último só tinha aqui)…

        Já ouvi dizer ou li, não lembro, que ainda existe Crush no Uruguai.

  2. Raphael disse:

    Ainda vou confeccionar esse carro da Jordan…

    Para mim, um carro cuja pintura já entrou na história, mesmo não sendo um carro vencedor, é o VR-01 da Virgin Racing. Ele é simplesmente charmoso.

  3. Felipinho disse:

    ué.. onde estão os Lotus pretos e dourados JPS?

  4. Felipinho disse:

    ops..
    não vi que o post estava ilustrando os “bonitinhos mais ordinários” ..
    o Lotus JPS eram lindos e vencedores…

  5. Fernando Kesnault disse:

    Desde o advento dos carros tubarões da Benetton os carros da f-1 ficaram muito feios e terrivelmente iguais. Particularmente, adoro aqueles dos finais da década de 80 e início dos anos 90 e aprecio aquele Life vermelhinho do Giacomelli e Gary Brabhan. Quanto às Renault de 2005/06 eu adorava as cores (como dizem gosto é igual ao c…cada um temm o seu) do azul da Mild Seven e o amarelo da Renault.

    • Vitor, o de Recife disse:

      É, realmente gosto é uma coisa muito pessoal… e concordo que o desing dos carros foram ficando cada vez mais parecidos.

  6. Não podemos esquecer das Minardi, sempre aparecendo com belos carros.

  7. fernando-ric disse:

    O que o besta do Schumacher foi falar pro Coulthard? Pra ele ir pra grama?

    Falam que ele é um gênio, pra mim é só um piloto GENIOSO que guiou ótimos carros….

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s