Como dobrar uma estrela.

Publicado: 31/08/2010 por Vitor, o de Recife em Artigos, Formula1
Tags:, , , , ,
Webber e Vettel na conferência de imprensa pós Gp da Hungria

Mark Webber certamente vem quebrando todas as bolsas de apostas feitas no início da temporada sobre os candidatos ao título. Analisando a a carreira dos dois pilotos, era fácil apostar no prodígio Vettel como o homem para ganhar o campeonato, mas esta temporada vem redefinindo a imagem dos dois pilotos.

Estreia modesta na Minardi

Mark Webber ascendeu vagarosamente na categoria. Iniciando na F1 em 2002 pela nanica Minardi, conseguiu um inesperado ponto logo no GP caseiro, em Melbourne, chegando em quinto em uma corrida de sobrevivência. No ano seguinte, foi para a Jaguar, por onde correu até 2004, se destacando mais nas classificações do que nas provas. Depois, passa dois anos na Williams, onde consegue o seu primeiro pódio em Mônaco, seu melhor resultado na equipe. Em 2007 é contratado pela Red Bull, dividindo os boxes com David Coulthard. Somente no ano passado, conseguiu destaque na categoria, vencendo duas vezes mas assistindo a um melhor desempenho do companheiro de equipe, algo que só chegou a acontecer em sua carreira na F1 quando partilhou o cockipit com Heidfeld na Williams, em 2005. Só que o alemão se acidentou e Webber terminou o campeonato a frente.

Vettel: o nascimento de um novo gênio?

Uma ascensão bem mais rápida experimentaria Vettel. Piloto de testes da BMW em 2006, se destaca nos treinos de sexta-feira, quando ainda era permitido às equipes utilizar o terceiro carro. Com o acidente de Robert Kubica no Canadá,em 2007,  participa do GP dos EUA e espanta ao conseguir pontuar em sua primeira prova. Naquele mesmo ano substituiria Scott Speed na Toro Rosso e teria um desempenho espetacular em Fuji, mas bateria com o “brake test” de Lewis Hamilton. No ano seguinte, cumpre toda a temporada pelo “time B” da Red Bull e vence espetacularmente de ponta a ponta o GP da Itália, sob muita chuva. Em 2009, é titular da Red Bull, que faz um carro muito veloz mas pouco confiável. Ainda assim, Vettel consegue o vice campeonato, com quatro vitórias. Tudo corria para que a jovem promessa alemã fosse alçada como o sucessor de Michael Schumacher em 2010, bastando apenas que a Red Bull sanasse os problemas de confiabilidade, mas… eis que o “Marketing Webber”, como o australiano costumava ser maldosamente apelidado pelas más línguas do padock, passou a dar lugar a um piloto que prima pela constância e consegue vitórias acima de qualquer crítica, como na complicada corrida de Monte Carlo, onde não deu chance para a concorrência.

Boa parte da vantagem do atual vice líder do campeonato tem sido adquirida no jogo dos bastidores. Na disputa interna da equipe, Webber tem jogado em cima dos erros do jovem companheiro Sebastian Vettel, inteligentemente manipulando situações que seriam em tese bastante adversas para ele e jogando a pressão para o emocionalmente instável alemão.

1º Round: a guerra é declarada em Istambul

A Red Bull teve um claudicante começo na temporada de 2010. Problemas de confiabilidade ameaçavam pairar novamente sob Milton Keynes, mas a equipe começa a engrenar no GP da Malásia, com a dobradinha liderada por Vettel. Ok, a lógica estava imperando, não? Só que Webber mostra força, emplacando duas vitórias categóricas seguidamente: Espanha e Mônaco. A próxima corrida é em Istambul; Webber marca sua terceira pole seguida e Vettel precisa reafirmar a ordem na equipe. No entanto, Webber lidera a corrida rumo à terceira vitória seguida. O resultado da reação de Vettel resultou no desastre a seguir…

Ao sair do carro, Vettel joga a responsabilidade no australiano, insinuando que o companheiro foi o culpado pelo acidente. As imagens da TV não o ajudaram muito. O fiasco se estende para além das pistas, com a equipe acobertando o erro do alemão. Pior: teria sido comunicado ao australiano que ele deveria economizar combustível, o que permitiu a Vettel chegar rapidamente em Webber e atacar o companheiro com o aval da equipe.

O jornalista Livio Oricchio, cobrindo in loco o evento, matou na hora o motivo do acidente.

Não tenho a menor dúvida em afirmar que o acidente entre Sebastian Vettel e Mark Webber, ontem, tem um responsável maior: a visível ansiedade de Vettel com as três últimas pole positions e duas vitórias de Webber, na Espanha e em Mônaco.Vettel ficou brincando com a tampa da garrafa de água durante a entrevista de sábado, depois da definição do grid, como uma criança, distante da conversa com a imprensa. Claramente perder não só a pole para Webber como o segundo para Hamilton ajudou a lhe desestabilizar emocionalmente, embora depois a equipe tenha descoberto um problema com a barra estabilizadora do seu carro.

A coisa ainda ia feder…

Isolado na equipe, Webber, que ainda conseguiu chegar em terceiro, enxergou pela primeira vez a opinião pública como um importante apoio para tentar igualar o jogo na equipe. A Red Bull solta um comunicado descontraído, ao estilo do departamento de Marketing da equipe: “shit happens“. Sim, a coisa ainda ia voltar a feder…

2º Round: as asas da discórdia

Passaram duas provas, Canadá e Europa, sem maiores incidentes entre os dois pilotos.  No Canadá, Vettel consegue um pódio em uma situação que a Red Bull não foi a potência esperada; Webber chega logo atrás, em quarto. Em Valência, a estrela alemã faz a alegria da equipe, enquanto Webber sofre um assustador acidente sem graves consequências com o retardatário Kovalainen. Tudo seguia em paz em Milton Keynes até Silverstone…

A equipe estrearia novos aerofólios dianteiros para o GP britânico, um para cada piloto. Nos treinos, Vettel quebra o seu e a equipe toma mais uma decisão desastrosa: tira a asa de de Webber para colocar no carro do alemão.  Justificativa? Vettel estava na frente da classificação, ainda que por uma diferença mínima de pontos (115 x 103). Uma demonstração clara da preferência da equipe.

Inteligentemente, Webber deixou a opinião pública se manifestar e permaneceu em silêncio. Na corrida, Webber vence a prova, enquanto Vettel, que largou na pole, tem problemas e chega em sétimo. Ao rádio, Webber declarou: “nada mau para um segundo piloto”. Na entrevista coletiva, bateu ainda mais forte:

Sinceramente eu não teria renovado o contrato para o ano que vem se eu soubesse que seria assim. É óbvio que eu fiquei decepcionado, mas vamos ver como vai ser no futuro. Vou continuar fazendo o meu trabalho e espero que isto seja o suficiente.”

O australiano mediu bem suas palavras. Havia um respaldo claro; Istambul mostrou que os olhos da imprensa e do público estavam voltados para o comportamento da equipe após a maneira desastrosa como esta administrou o papelão do GP turco. A opinião pública viu o resultado do GP inglês como a materialização da justiça. Pouco depois de prensar a equipe contra a parede, Webber recuou em suas declarações, adotando um discurso de harmonia com a equipe, mas o resultado esperado surtiu efeito: Vettel acusou o golpe. Dias depois declarou que Webber não deveria resolver questões internas na imprensa. A pressão aumenta e a necessidade  de reação precisa ser imediata. Após o terceiro lugar em Hockenheim, onde a Red Bull não teve chances diante da Ferrari, Vettel esboça um sinal de reação em Hungaroring e faz uma pole espetacular. Promessa de uma nova recuperação? Seria, até a entrada do safety car. Webber está à frente, mas  precisa para mais uma vez. A vantagem é toda de Vettel, mas o alemão comete um erro: ao ser orientado pela equipe para deixar um espaço entre ele e Webber na relargada, visando a obtenção de uma dobradinha, Vettel exagera na distância e  recebe um drive through. No cumprimento da punição balança a cabeça, deixando explícita sua contrariedade. Webber faz uma sequência espetacular de voltas rápidas e vence a prova, passando as férias de agosto na liderança do mundial; Vettel termina em terceiro.

3º Round: depois das férias

Acabaram as férias e na Bélgica Webber marca mais uma pole. Na prova, Vettel reverte a situação quando o companheiro engasga na largada. O alemão se mantém à frente do parceiro até mais uma vez arriscar demais em uma tentativa de ultrapassagem sobre Button, tirando o inglês da corrida. Um pneu furado no final minou as suas chances de pontuar; Webber, por sua vez, chega em segundo.

Desde a polêmica em Silverstone, Webber conquistou 51 pontos; Vettel 30. O campeonato ainda está aberto, mas a maior constância do australiano pesa ao seu favor. A diferença de pontos entre os dois é de 28, mais do que uma vitória. É difícil apostar na imaturidade emocional de Vettel que simplesmente não parece resistir à ideia de estar atrás do seu parceiro. Mark Webber aposta justamente nisto e parece consciente de que esta é a chance da sua vida.

Durante o intervalo de agosto, Webber deu uma mostra de como sabe trabalhar bem com as palavras no intricado jogo de pressões da F1. Em uma entrevista ao Esporte Espetacular, da Rede Globo, soltou uma espertíssima declaração: se conquistar o título deste ano, se aposentaria em 2011.

Embora claramente preferisse estar liderando o mundial com Vettel, a Red Bull não se faria de rogada em levantar a taça com Webber. É o mínimo que se espera depois dos pesadíssimos anos de investimentos feitos para ter o melhor carro de 2010. Dar o título ao australiano seria uma recompensa ao esforço do veterano; dali em diante, Vettel teria caminho livre para trabalhar com mais calma. Por outro lado, preservar a estrela alemã continua sendo prioridade em Millton Keynes, como demonstrou Christian Horner em entrevista da Autosport depois do desastre de Spa:

Ele é um grande piloto, ele ainda é muito jovem cara e é fácil de ser muito crítico sobre alguém que é relativamente inexperiente – mas com certeza ele vai aprender muito com o que aconteceu.

Admitindo o melhor momento de Webber, Horner preferiu não priorizar o australiano.

Mark ganhou mais corridas do que qualquer outro piloto no momento, ele tem feito grandes corridas e está definitivamente em grande fase em sua carreira.

Com base na temporada até agora, você teria que dizer que ele parece estar em grande forma, mas como vimos aqui as coisas podem mudar tão rapidamente que seria uma tolice deixar Sebastian fora neste momento.”

Horner e Marko: a delicada tarefa de administrar os pilotos

Uma diferença de 28 pontos certamente não é o suficiente para uma equipe priorizar um piloto faltando seis provas (ou cinco, a depender do GP coreano) para encerrar o campeonato; portanto, a declaração de Horner faz sentido, assim como se mantém coerente ao afirmar que Vettel realmente possui talento, faltando alcançar maturidade emocional. Sua rápida ascensão na categoria o fez conhecer apenas agora o outro lado da F1: o das cobranças, críticas  e questionamentos sobre sua qualidade. Contra um companheiro que pode ser tão ou mais veloz do que ele e que sabe como poucos administrar as pressões, como se sairá a emergente estrela alemã? E quanto durará a paciência do implacável mundo da F1?

comentários
  1. Will disse:

    O Vettel merece críticas, como o Hamilton já mereceu. Mas não pela sua agressividade e arrojo – acho melhor ele errar tentando ultrapassar do que ficar acomodado em ir ao pódio ou em marcar pontos.

    Toda essa conversa de instabilidade emocional vai por água abaixo quando o cara ganha 2 corridas seguidas…

    O Vettel é muito, muito, muito mais piloto que o Webber.

    (Só não gostei da barbeiragem ter sido para cima de um MP4-25 – gostei quando ele mirou em um RB6).

    • Vitor, o de Recife disse:

      “O Vettel merece críticas, como o Hamilton já mereceu. Mas não pela sua agressividade e arrojo – acho melhor ele errar tentando ultrapassar do que ficar acomodado em ir ao pódio ou em marcar pontos.”

      Concordo.

      “Toda essa conversa de instabilidade emocional vai por água abaixo quando o cara ganha 2 corridas seguidas…”

      Tenho minhas dúvidas…

      “O Vettel é muito, muito, muito mais piloto que o Webber.”

      É um dos mais talentosos desta nova geração, sem dúvidas. Mas é muito imaturo.

  2. Ronei Leonel Junior disse:

    HEhehe. Muito embora haja uma tendenciosidade para Hamilton aqui no blog kkkkkkk to brincando galera. Mas eu gosto do Vettel, hahaha não vão me mobar hein…, mesmo estabanado desse jeito, acho que ele pode melhorar e muito ainda, principalmente tendo mais cabeça.

    O maior problema dele, pelo menos para mim, é a ainda não conseguir balancear tranquilidade x ansiedade. Se ela fica atrás de alguem mais lento como o Button no último gp, ele não consegue ter a tranquilidade para preparar a ultrapassagem. Tipo escolher o ponto onde vai tentar, dar volta, chegar colado…. Ele quer tentar passar a todo custo em toda curva, as vezes da certo como contra aquele carro da force indy não lembro a prova, onde ele passou na marra, mas na maioria não tem dado certo.

    Se ele colocar a cabeça no lugar acredito que o duelo nos próximos anos desde que equipes se mantenham competitivas será Hamilton x Vettel.

    Quanto a paciência, para mim ele tem até o final dessa temporada e a pré temporada para se encontrar, se não vai rodar e virar button da vida.

    • Allan Wiese disse:

      É isso mesmo Ronei. Seu maior inimigo esse ano é, como falei no post sobre os candidatos ao título, ele mesmo. Sua ansiedade está o impedindo de mostrar todo o seu talento.
      Vettel é muito rápido. Consegue voltas voadoras com muita facilidade. Quando larga bem, é difícil segurá-lo de cara para o vento. Mas como você disse e como já discutimos aqui em diversas ocasiões, quando precisa ultrapassar carros e pilotos de mesmo nível que o dele, a coisa complica muito mais.
      Se ele conseguir trabalhar com essa atual fraqueza, com certeza vai ser lindo ver Hamilton e Vettel duelarem, como nos tempos de GP2.

      • Vitor, o de Recife disse:

        Costuma-se criar mitos sobre os pilotos, tanto para o bem como para o mal. Esse mesmo Vettel que “não sabe ultrapassar” é o mesmo que fez uma bela prova de recuperação a passado em Interlagos.

        Um piloto não desaprende; mas pressionando a si mesmo como ele vem fazendo, termina cometendo muitos erros. Quando ele conseguir estabilizar suas emoções, poderemos ver esses duelos.

        Abraço.

      • Will disse:

        Bem lembrado Vítor, é exatamente quando a pressão vem como um nitro que o talento aparece (em todas as áreas).

  3. Marco disse:

    Vitor , prazer em participar de seu muito bom post .

    Horner , descarta em definitivo a possibilidade de privilegiar Webber com 28 pontos à frente .

    Para ele , mesmo admitindo que o Webber está em grande forma , a F1 muda rapidamente e , seria tolice não crer nas possibilidades do Vettel .

    Horner esta esportivamente correto , mas se não abrir o olho , poderá ver a Mclaren e Ferrari carregando sobre Hamilton e Alonso , enquanto o seu time se divide entre Webber e Vettel .

    Claro que Vettel faz coro com o patrão : ” O certo é esperar pelas próximas corridas , porque nós ainda podemos fazer as coisas acontecerem ” . Realmente com acidentes e incidentes , Vettel tem feito coisas acontecerem mesmo .

    Já Webber , perguntado se não seria lógico a Red Bull concentrar esforços em seu carro , dissimulou , mas deu indícios que se considera primeiro piloto da equipe , insinuando que a Mclaren poderá largar na frente nesta ” eleição ” , já que Hamilton tem a vantagem de 35 pontos sobre Button .

    Portanto , Webber que completou 31 anos na quinta feira , quer o título a todo o custo , porque sabe que está , é a sua última oportunidade . Está entre o cara ou coroa , e tem que continuar jogando suas fichas muito bem , caso contrário …

    Abraços Vitor .

  4. Anselmo Coyote disse:

    O Vettel é piloto fake.
    Com esse foguete nas mãos ele está pior do que o Barriquelo em 2009 com outro foguete.
    Aliás, para falar a verdade, o Barriquelo é outro fake, mas muito mais esperto, pois passou mais de uma década na F1 sem levantar suspeitas ao passo que o Vettel em 3 temporadas já perdeu o verniz.
    Quanto a dizer da instabilidade emocional, eu concordo que ela existe e pode afetar qualquer um, dependendo apenas das circunstâncias. Quero dizer com isso que discordo quando dizem que é por causa da idade. Não é. São 3 temporadas na F1 e um passado nas categorias de base.

    Abs.

    • Mari Espada disse:

      Taí a pessoa que me fez enxergar Vettel como ele é…
      Hoje percebo que ele só corre bem de cara pro vento e que, lamentavelmente, não sabe ultrapassar!

    • Vitor, o de Recife disse:

      “Quanto a dizer da instabilidade emocional, eu concordo que ela existe e pode afetar qualquer um, dependendo apenas das circunstâncias. Quero dizer com isso que discordo quando dizem que é por causa da idade. Não é. São 3 temporadas na F1 e um passado nas categorias de base.”

      É Coyote, é um ponto de vista bastante válido. Embora seja difícil estimar o tempo para estimar quando um piloto atinge a maturidade (Hamilton precisou de dois; Massa um bocado, mas no final de 2008 era outro piloto), não creio que a idade seja um fator fundamental no desequilíbrio emocional do Vettel. Para mim, parece ser mais uma questão de atoconfiança. Ele precisava aprender com o saudoso Räikkönen (com tremas e tudo): qualquer bronca, tomava um picolé pra esfriar a cabeça e bola pra frente.. ;)

    • Vinicius Almeida disse:

      o cara precisa de um treinador, como os jogadores de tênis. Sebastian é talento puro, mas não consegue se controlar, não consegue colocar a cabeça no lugar e agir de forma fria e calculista nos momentos decisivos. Esse dia vai chegar, mas viria mais depressa se os pilotos de F-1 descessem do pedestal e passassem a contar com ajuda profissional na hora da concentração.

      Agora, queimar o cara é fácil, mas quem aqui não tem telhado de vidro? Antes cometer burradas por excesso de ímpeto do que ser vigarista HAMILTON, que mente para fiscais ou fica dançando balalaika na reta para evitar uma ultrapassagem. véttel vem errando, sim, mas ele é um excelente piloto, fora o fato de ser limpo, honesto e, acima de tudo, ter um bom caráter.

  5. Anselmo Coyote disse:

    Querem saber, meu preferido dentre o realmente novos na F1 é o Kobayotejapinhavoadorninjasuperhipermegagigaterasuperdenovohiperoutravez…. rsrs.
    E sabem por quê? Por que na hora “H” ele não dá black out… kkkkkk!!!!
    Abs.

  6. Fernando Kesnault disse:

    Creio que o problema do Vettel não seja só ansiedade e sim imaturidade e falta de experiencia mesmo. Não sabe dosar o seu comportamento num carro. Foi alçado cedo demais como estrela e está pagando caro.

    Pode ser que vire um Alesi na vida: faz coisas fantasticas em uma equipe pequena e nada em grandes equipes.

    • Anselmo Coyote disse:

      “Foi alçado cedo demais como estrela e está pagando caro.”

      Como diziam os gregos, eis o problema.
      Estrelas não se constroem. Nascem onde querem, segundo as vontades da deusa Fortuna e sua dadivosa cornucópia. A Red Bull está querendo transformar um poste sem luz em estrela, o que atiça a ira dos deuses do Olimpo.
      Contratem o ex-sushi-maker Kamui Kobayashi, JÁ, e o resto será só alegria, como diz o meu amigo Reginaldo Pudim.
      Abs.

  7. Daniel Lima disse:

    Vettel será campeão esse ano!
    Só tá precisando de um pouco mais de sorte.
    Na ultima corrida ele não mereceu ser punido,na tentativa limpa de ultrapassagem ele perdeu Downforce,foi um acidente de corrida.

    Mas tem muita corrida ainda,SR Hamilton que aproveite temporariamente a liderança.
    Go Vettel!

  8. Mari Espada disse:

    Vitor, adorei a primeira foto do post.
    Para mim é um “resumo visual” do seu texto… Fabuloso!

  9. Mari Espada disse:

    Só pra descontrair um pouco…
    Essa foto do Webber realmente dá margem as piadas…

  10. Lucas Domakoski disse:

    Olá a todos! Me chamo Lucas Domakoski, sou de Curitiba-PR, tenho 18 anos. Passando no aqui para dizer que é a primeira vez que visito o blog, e que gostei muito do conteúdo e dos textos. Realmente excelente!
    Posso dizer também que uma das coisas que mais me agradou foi o fato de a maioria aqui ser prateado de coração! Na condição de fã da Mclaren desde pequeno, me senti em casa aqui no Ultrapassagem.
    Acompanho a carreira de LH desde os tempos da GP2, e lembro-me como me encantou a estréia desse piloto sensacional na F1, em 2007. À época eu torci muito por Alonso também, afinal a alardeada transferência para a Mclaren aparentava ter futuro. Depois de um tempo, passei a torcer apenas por Lewis, afinal Alonso demonstrou absoluta falta de respeito pela equipe e pelo esporte. Quando anunciou-se a volta de Choronso à Renault, passei a torcer contra ele. =P
    Na condição de fã da Mclaren, naturalmente (ou não?) sinto uma repulsa pela Scuderia Ferrari, a famosa ”Strebaria di Maranello”. Com isso certamente vocês podem imaginar o quanto doeu a tranferência de Kimi para lá, afinal eu sempre fui fã do finlandês. Devo admitir que torcia por Kimi também na Ferrari (desde que estivesse atrás de Lewis, obviamente). Tive esperanças de que o homem de gelo voltasse para casa, e tenho certeza de que a parceria Lewis-Kimi detonaria completamente quaisquer adversários no caminho da equipe prateada. Infelizmente, ele resolveu ficar no Rally. Com isso, perdemos todos nós, fãs do automobilismo de verdade. =(
    Mas enfim, sem mais delongas, gostaria de deixar registrada a minha satisfação por ter encontrado um blog com tal padrão de excelência. Vou comentar sempre por aqui, então vocês terão de aguentar mais um Mclarista elogiando as belas formas do MP4-25, o talento incomensurável de Lewis Hamilton, a organização e a perfeição da equipe prateada, etc, etc… (hehehe!).
    Saudações Mclaristas a todos!
    Porque as verdadeiras flechas-de-prata sempre serão as Mclaren!!!

    • Mari Espada disse:

      Bem vindo Lucas!!!
      Que bom que você já está se sentindo em casa…
      E eu estou muito feliz em ter mais um integrante da torcida McLarista!!!

      Pessoal, vamos fazer uma ôôôlllaaaa!!!! =D

    • Will disse:

      Kekekekeke, muito bom!!!

      Como eu já disse já dá uma Ôla no GP Brasil!!!!!

    • Allan Wiese disse:

      Olá Lucas!

      Deixe seu registro na seção “Quem são vocês”, pra que todos possam te conhecer…

      E bem vindo ao Ultrapassagem.

  11. Vinicius Almeida disse:

    “afinal Alonso demonstrou absoluta falta de respeito pela equipe e pelo esporte.”

    ai, ai… quando volto ao blog pra ver algo decente, me vejo com mais um hamiltoniano besta e cego no blog.

    Amigo, falta de respeito foi Dennis ter se jogado contra ele na metade do campeonato para beneficiar Lewis, sendo que ambos poderiam ser campeões. Aí alonso correu contra tudo e todos e ainda nao deixou lewis tirar um pontinho de vantagem sequer” ahahha………

    É, vcs fãs do hamilton nao ter a menor noção de nada, hamilton foi beneficiado em 07, em 08 e 09 nem preciso dizer, e agora vai no mesmo caminho.

    esse hamilton só ganha com piloto ruim ou manso ao lado, quando teve alguem a altura, que acertava seus carros, mandou papai dennis jogar ele fora e assim foi..

    depois a ferrari que é suja,.. t

    Aqui,hamiltininininho e papaizinho, que dupla felizzzzzzzzzzz”

    • Lucas Domakoski disse:

      Amigo, pense o que quiser…estou aqui para compartilhar com os companheiros do blog as emoções das corridas, da F1. Afinal o esporte na sua essência é isso: emoção, paixão. Se você discorda de algo que é falado, demonstre-o decentemente, afinal é assim que as discussões saudáveis e produtivas ocorrem. Se você quer agredir os outros apenas por terem opinião contrária a sua, sinto muito, mas não vou cair nessa. Estar confortavelmente sentado em casa, em frente à tela do computador, transforma todos em valentões não é verdade? Está se sentindo poderoso?(!) Muito fácil sair agredindo por aí, se achando o fodão, quando na verdade quem faz isso não passa de covarde.
      Se quer nutrir uma discussão saudável acerca do esporte, estou sempre a postos. Se quer dar uma de ”machão da net”, será ignorado. Sinto muito.
      Abraço!

      • Mari Espada disse:

        Grande Lucas! Chegou com classe!!!!
        Já é da minha tchurma! =)

        Boss, é ótimo termos liberdade de expressão por aqui.
        Mas não podemos alimentar os trolls!!!
        Uma das coisas que eu mais me orgulho do Ultrapassagem é a convivência pacífica de avatares de todas as cores… não podemos perder isso!

      • Will disse:

        Lucas, duplo parabéns!!!!

        Deveríamos ser todos agressivos e destemidos, como Lewis nas pistas e lordes educados, como Jenson fora delas!!!

        Valeu!!!

    • Anselmo Coyote disse:

      “esse hamilton só ganha com piloto ruim ou manso ao lado, quando teve alguem a altura, que acertava seus carros, mandou papai dennis jogar ele fora e assim foi..”

      É… Pensando bem… Hummm… Talvez o Vinícius tenha razão. Vamos dar uma chance ao rapaz. Ô Vinícius, quem era o “forte” campanheiro de equipe do Alonso em 2005 e 2006?

      Em 2007 eu sei que um estreante deu umas chineladas na bunda dele fazendo-o bater em retirada para debaixo da saia da mamãe Briatore. Mas, quem era o fortíssimo companheiro dele em 2005 e 2006 eu realmente não sei.

      Falaê.

      Abs.

  12. Gilmar disse:

    É fácil falar que o Vettel é rápido andando com um foguete nas mãos… até eu sou rápido assim. Além do que, só teve carro meia boca em seu primeiro ano, no segundo ano de carreira já teve um carro pra disputar o título. Acho que aí que está a questão, dois anos com um grande carro nas mãos e ele continua errando muito. A pose de bom moço também não cola mais, depois do episódio de chamar o Webber de louco na turquia.
    Acho que o Vettel é um bom piloto, só. No nível do Massa. Bons pilotos em carros muito bons (vide Massa em 2008), disputam o título. Pilotos excepcionais em carros não tão bons, são fortíssimos candidatos ao título sempre (não preciso nem citar exemplos).

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s