O preço da rebeldia.

Publicado: 09/11/2010 por Vitor, o de Recife em Artigos, Formula1
Tags:, , , , , ,

Mecânicos festejam vitória de Vettel em Suzuka. Sem Webber...

Priorizar ou não priorizar? Eis a questão…

Em uma temporada de muitas decisões confusas, a Red Bull chegou ao grand finale com uma decisão que ela não esperava, de forma alguma, tomar no início do ano: ter que priorizar o piloto do carro número 6, Mark Webber. Mas ela fará isso mesmo?

É o que se perguntam os fãs da categoria em todo o mundo. Aqui mesmo no Ultrapassagem, há opiniões discordantes. A própria Red Bull, que tanto reclamou do jogo de equipe da Ferrari em Hockenheim e se autointitulou defensora da disputa livre entre seus pilotos, continua afirmando que terminará a temporada com a mesma postura. Quem garante isso é ninguém menos que o chefão da Red Bull, Dietrich Mateschitz. Assim declarou o dono das famosas latinhas:

Mateschitz: não deu em 2010? Tentamos outra vez...

Deixem os dois pilotos correr e o que tiver que ser será. Se Alonso vencer, será um azar. Eu prevejo um final hollywoodiano. No pior cenário, se não formos campeões? Vamos fazer isso no próximo ano. Mas nossa filosofia continua a mesma, porque este é um esporte e deve permanecer como um esporte. Nós não manipulamos as coisas como a Ferrari faz.”

Além da provocação à Ferrari, coerente com a posição adotada pela Red Bull desde Hockenheim, podemos tirar outras coisas nas entrelinhas da declaração de Mateschitz. Primeiro, a imensa confiança da equipe para a continuidade do sucesso no trabalho de Adrian Newey. Não há motivos para duvidar que o gênio das pranchetas não pode fazer outro grande projeto em 2011. Claro, ninguém pode prever o futuro: Ferrari, McLaren e Mercedes podem ser um páreo bem mais duro na próxima temporada e o próximo carro dos touros vermelhos não ser nenhuma Brastemp; mas ainda assim o otimismo de Mateschitz não parece exagerado.

O outro motivo para a quase certeza de sucesso se chama Sebastian Vettel, a estrela do programa de pilotos da Red Bull. Sim, o jovem alemão que tanto errou em 2010 – e ainda assim, pode ser campeão em Abu Dhabi – ainda é a grande aposta da equipe para o futuro. Não falta velocidade ao talentoso alemão, mas regularidade.

E aí é que surgem controvérsias. Até que ponto a equipe foi realmente correta com seus dois pilotos? A temporada dos touros vermelhos foi marcada por decisões contraditórias dos líderes da Red Bull, em especial o diretor Christian Horner e o consultor Helmut Marko – este defensor declarado de Vettel. A forma como a equipe lidou com o desastre de Istambul evidencio que faltava, no mínimo, pulso firme dos dirigentes. Mas foram os protestos abertos de Mark Webber que colocou a Red Bull em posições desconfortáveis ao longo da temporada…

GP da Turquia: Webber ascende, Vettel desce.

Discutimos aqui no Ultrapassagem a estratégia de Webber em utilizar o fator psicológico como vantagem em seu duelo contra Vettel. Foi esta mesma estratégia que fez o veterano australiano superar a margem de diferença de “braço” que o separa do veloz alemão. E o arriscado plano funcionou bem durante a temporada, até a Coreia. Enquanto Webber se mantinha à frente de Vettel, e melhor ainda, liderando o campeonato, o australiano tinha argumentos para chamar a opinião pública a seu favor e pressionar a equipe para ter a devida atenção com ele. Ou melhor ainda, priorizá-lo…

Só que as coisas tomaram um rumo diferente na reta final do campeonato. Vettel parou de cometer erros primários a partir do GP da Itália e passou a superar sistematicamente o companheiro. Simplesmente o jogo inverteu e o abandono de Webber em Yeongam, por um erro do próprio aussie, custou muito caro a ele.

Vettelvence em Interlagos: o alemão ascende, Webber desce.

Nestas condições, a entrevista coletiva dada por Mark Webber no Brasil é um desastre. Se antes ele poderia argumentar que vinha sendo um piloto mais eficiente do que Vettel, os últimos resultados dizem o contrário. Muitos podem contrapor lembrando que a matemática ainda favorece o australiano; de fato, são dele as melhores chances de levar o título do WDC. Só que na F1 fatores como respeito à equipe contam muito. Christian Horner conseguiu ir direto na ferida ao responder as declarações de Webber no Brasil:

Acho que os membros da equipe ficarão muito tristes ao ver que Mark disse, se ele disse isso, e eu só posso pensar que foi tirado do contexto porque ele tem um grande apoio dentro da equipe.”

Webber tentando colocar a equipe na berlinda em Interlagos. Desta vez, sem sucesso.

De estratégia para a glória, o plano de Mark Webber pode ter se transformado em um caminho para o inferno em 2011. Vamos ligar os pontos: somem o otimismo da Red Bull para mais um grande carro de Newey, com um Sebastian Vettel mais maduro na próxima temporada e a declaração de Mateschitz de que não se importa em perder o título de pilotos deste ano. Motivos não faltam para a Red Bull não priorizar o australiano em Abu Dhabi…

comentários
  1. Lucas Túlio disse:

    “Motivos não faltam para a Red Bull não priorizar o australiano em Abu Dhabi…”

    Sim, mas que Webber merece mais do que o Vettel ser o campeão mundial, com certeza!

  2. Allan Wiese disse:

    Mark Webber arriscou. Jogou todas as suas fichas nessa temporada. Com o azar de seu companheiro no início do ano e sua rara constância, pode colocar pressão em Vettel. Mas quando Vettel parou de errar, a menor velocidade de Webber em relação à Sebastian ficou evidente. E Webber fez o que não poderia: errou na hora errada.
    Assim, penso ser pouco provável que Webber tenha chances reais de disputa em 2011. Posso estar muito enganado, mas querendo ou não, Vettel está ficando mais experiente e deve vir mais constante no ano que vem. E Webber pode voltar a ser o “rei de sexta” que sempre foi…

    • Vitor, o de Recife disse:

      Rapaz, acho que até o título de rei da sexta tá ameaçado…

      Este domingo é tudo ou nada para o Webber. Se ele quer ser campeão, tem que marcar o Vettel de perto até o pit stop; depois disso, desliga o rádio e parte pra cima. Se ele ainda tem alguma pretensão com a F1, esta vai ser sua última chance.

      • Allan Wiese disse:

        Sim. Webber ficou pragmático demais nesse final de semana. E a idade vem pegando. Vai que, numa dessas, o Wilson acerta o palpite e o RB7 não vem tão redondo ano que vem? Ficaria mais difícil pra um “braço duro” como o Webber…

    • Claudio Cardoso disse:

      Ola.

      Nao é ironia nao. Eu apenas nao entendi.

      Voce pode me dizer o que o Webber arriscou esse ano ?

      • Vitor, o de Recife disse:

        Claudio, estamos falando das reclamações públicas que o Webber fez sobre a equipe favorecer o Vettel.

  3. fernando-ric disse:

    Eu acho que o campeonato acaba na primeira curva. Espero estar errado, porque essa corrida tem tudo pra detonar 2 sacos de pipoca de microondas.

    • Allan Wiese disse:

      Infelizmente essa vai ser uma realidade muito provável: quem não largar na pole vai ter até a primeira curva pra tentar algo. Depois disso, já era…

      • wilson disse:

        tem outra hipotese mais plausivel, ja citei varias vezes, vai depender do desenvolvimento da corrida, inclusive com indefiniação titulo ate ultima volta

    • Vitor, o de Recife disse:

      Infelizmente é verdade. Culpa dos dirigentes, que tiveram a ideia infeliz de terminar a temporada em uma pista insossa como Abu Dhabi. Pelo menos corrigiram para a próxima temporada: o final será em Interlagos, pista de verdade, com ultrapassages e clima instável. Todos os ingredientes para um final imprevisível, que é o que qualquer ser inteligente desejaria; seja pensando no esporte, seja no lado comercial.

  4. Sirlan Pedrosa disse:

    Vitor,

    É muito raro ler na internet um artigo sobre um assunto tão difícil como esse, e encontrar a qualidade que você imprimiu a esse texto.

    Reflexivo, sem ser tendencioso, você mostra todos os ângulos de uma questão extremamente complexa que é essa decisão para uma equipe “tão diferente” como a Red Bull.

    Ainda acho que o mais lógico, e que não feriria o esporte, seria liberar pilotos ATÉ A METADE DA CORRIDA EM ABU DHABI, e em função das posições de pista definir um piloto a vencer o título.

    Por exemplo :

    – Alonso em terceiro na metade da corrida, a equipe determina que Webber vença a prova e Vettel chegue em segundo.

    – Alonso abandonando na metade da corrida, mantén-se as posições e é campeão o que estiver na frente.

    Só que a declaração de Dietrich Mateschitz, se foi realmente isso que ele afirmou, não dá margem para uma estratégia como a que pensei seria a adotada pela a equipe.

    Parece que o chefão liberou os pilotos “inclusive para brigar por posições entre si até a última volta”…Uma loucura…ou uma jogada de gênio…

    Um abraço,

    Sirlan Pedrosa

    • Vitor, o de Recife disse:

      Sirlan, muito obrigado pelas palavras gentis, como sempre.

      Não acho que a inversão de posições seria algo imoral, mas com certeza seria contrária a tudo que a equipe pregou durante toda a temporada. Mas cá entre nós, duvido que a equipe teria tantos pudores se o Vettel estivesse na posição do Webber. E seria muito interessante ver a postura deste nesta hipótese… eu apostaria em m Jones/Reutemann parte 2.

    • wilson disse:

      daí vale jogo de equipe?

      he he he
      pimenta nos olhos dos outros é refresco

      como ja vi em algumas palestras e cursos inclusive com gente de direito

      etica, é apenas o que se procura, o que se deseja
      o que é ética pra uns não eh pra outros
      tudo depende do momento e do ponto de vista

      a redbull fazer agora jogo de equipe vale
      ultima corrida,
      vingança
      troco
      etc etc

      ferrari em hochenhein
      alonso era bem melhor que massa e poderia chegar o atitulo
      massa só se encarregou ate aogra confirmar que ou eh muito ruim ou anda num ano pior ainda

      ah hipocrisia

      e tem gente que acha que é so questão de pnto de vista

  5. Laysson disse:

    Até agora parece que a não escolha de Webber como postulante me soa mais como culpa dele do que como Fair Play da equipe, não digo do gabinete de Dieter Master(alguma coisa chitz hehehe), mas alí passando por Helmut Marko, Christian Horner, etc. Um outro fator, é que pode estar havendo uma justiça à Vettel por algumas de suas vitórias retiradas, terem sido fruto da inconfiabilidade do equipamento (excluindo dessa conta seus erros).

    Obviamente, a equipe é nova, e é seu primeiro título em disputa. Vamos considerar nesse argumento 2009 como uma ascensão, mas não como uma disputa tal como desse ano. Sendo nova, ainda não foi possivel determinar qual vai ser sua pragmática, apesar de alguns favorecimentos a Vettel durante o ano começassem a indiciar a escolha pelo sucesso de seu programa de jovens pilotos. Como citei no outro post, sobre a pimenta que arde, o GP da Inglaterra foi um indício, que naquele jogo de declarações acabou sendo deixado de pauta, e claro, mesmo sendo importante, não foi ponto crucial.

    Nos próximos anos, talvez não precisem entrar nesse expediente, já que possivelmente, Vettel com essa velocidade toda, e uma melhora na consistência, superará sumariamente seus companheiros de equipe (leia-se Webber). E caso a equipe efetive Alguersuari num futuro não tão distante e ele prove ser tão rápido quanto o tedesco, a equipe fica livre de optar ou não pelo programa de jovens pilotos, pois ambos são crias rubro taurinas.

    Não creio tanto que essas declarações sejam um pragmatismo consolidado, mas torço para que seja o início de uma prática que seja reforçada com o passar dos anos.

    • Vitor, o de Recife disse:

      Exato. Webber está ali “esquentando” o cockpit para a próxima cria da Red Bull, enquanto Vettel vai adquirindo maturidade.

      A Red Bull sempre foi uma equipe pragmática. Demonstrou isso nos seus primeiros anos: contratou David Coulthard, um experiente piloto já em fim de carreira para dar o feedback necessário para o desenvolvimento do carro. Como companheiro do escocês, colocaram crias da Red Bull: Klien e Doornbos.

      Depois foi comprada a Minardi e a Red Bull contou com um espaço próprio para o teste de novatos. Enquanto isso, a equipe principal foi preenchida com dois pilotos experientes para desenvolver os projetos de Adrian Newey. Depois que o carro atingiu um nível ideal de competitividade, ascenderam a revelação Sebastian Vettel; ao seu lado, deixaram Webber, um piloto com experiência suficiente para pontuar. Só que o australiano andou fazendo mais do que isso…

      Agora eu pergunto: uma equipe tão pragmática ao longo de sua curta carreira agiria da mesma forma que está agindo agora se Vettel tivesse as melhores chances matemáticas do que Webber?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s