A voz da Fórmula 1

Publicado: 06/01/2011 por Mari Espada em Formula1, Notícias
Tags:, ,

Acompanhar o automobilismo e, principalmente, a Fórmula 1 exige muito dos nossos sentidos. Visão, olfato e audição ficam aguçados pelo efeito da velocidade.

Pude perceber isso com clareza na primeira vez que estive em Interlagos, no ano passado, e não posso negar que a discussão que tivemos neste post envolvia, para mim, as experiências que passei naquele fim de semana de novembro.

A notícia dos novos motores para 2013, com 4 cilindros de 1,6L turbo, provocou-me uma certa preocupação, que me induziu até a concordar com Lucas de Montezemolo por um instante, até que os “amigos ultrapassistas” mais esclarecidos e experientes no assunto puderam me elucidar citando fatos do passado da Fórmula 1.

Mas na realidade sinto que não foi apenas a falta de potência que me presenteou com algumas rugas, mas também a possibilidade de perder a ensurdecedora voz dos motores V8.

Então, quando li a notícia abaixo no Tazio, resolvi trazê-la ao nosso fórum para que vocês me elucidem novamente ou juntem-se a mim nessa preocupação…

Bernie mostra preocupação com som para 2013

Bernie Ecclestone, detentor dos direitos comerciais da F-1, confessou que sua maior preocupação com relação ao novo regulamento técnico da categoria, que entra em vigor em 2013, é o barulho produzido pelos motores dos carros.

Daqui dois anos, os propulsores terão injeção direta com quatro cilindros em 1,6 L, substituindo as atuais unidades V8 de 2,4 L. Além disso, a partir de 2014, cada piloto poderá usar somente quatro motores por ano.

Para Ecclestone, o som dos carros é uma marca registrada da categoria, sendo que, caso isso fique comprometido com o novo regulamento, a F-1 será prejudicada.

“Não ligo se o motor é 1,6 L ou 1,8 L. Estou preocupado é com o barulho. Se perdermos o som, perderemos uma grande coisa”, afirmou o dirigente ao site “motorline.cc”.

No entanto, o presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Jean Todt, assegurou que o novo regulamento não vai acarretar na mudança do barulho dos motores.

“Posso garantir que os carros de F-1 para a temporada de 2013 serão muito empolgantes e produzirão um grande som”, disse Todt, defendendo a alteração da especificação das unidades por questões ambientais.

“O desenvolvimento da indústria nos últimos anos vem trazendo segurança e consciência ambiental para o primeiro plano. Os fabricantes têm feito um grande progresso em ambas as áreas.”

“Com as novas regras, a FIA quer mandar uma forte mensagem sobre a F-1. Esse é o topo do automobilismo e os motores menores serão importantes para os fabricantes”, concluiu.

comentários
  1. Vitor, o de Recife disse:

    Bernie preocupado com tradição é algo no mínimo intrigante…

  2. Minha nossa, que besteira sem tamanho falar isso, Lauda, Montezemolo e Ecclestone forma o trio imbecíl da F1.

    Ouçam isso e tirem suas conclusões.

    E mais uma informação básica sobre a potência que esses motores novos podem desempenhar.

    O motor Honda RA168E usado no MP4/4 de 1988 era com essas especificações:

    V6 Turbo 80º
    Peso 149 kilos
    1494 CC/ 1.5L
    14.000 RPM
    710 CV
    Pressão do Turbo 2,5 BAR

    Destaque para os RPM’s, então imaginem o que essas novas configurações de motores de 2013 podem conseguir em termos de cavalaria?

    • Ffigueiredo disse:

      Claudemir,

      Este motor não seria um Renault?

      FF

      • O do vídeo é um Renault de 1986 que equipava a lendario Lotus JPS do Senna.

        As especificações eu peguei do Honda por ser o último motor Turbo, então é o ponto de partida para essa análise. Uma pena não ter encontrado um warmup do Honda RA168E, mas tem esse vídeo que a Mari vai ver novamente, que dá uma pequena noção do barulho que esses carros produziam, do som de uma retomada, reduzida ou troca de marchas.

      • Mari Espada disse:

        Boss, isso é pra me convencer mesmo, né? Colocar um vídeo do Hamilton pilotando o carro do Senna é apelação para o meu lado emocional… hehehe.
        Aliás, eu amo esse vídeo! Até chorei de emoção na primeira vez que o assisti! =)

        Mas o que o Fernando Figueiredo disse abaixo ajuda a compreender a minha preocupação. Nesses vídeos o som do Honda do MP4/4 parede ótimo! Assim como o Renault da JPS!
        Porém eu queria ouví-los ao vivo para poder comparar, e isso só voltando em 1988, e ainda assim com meus 3 aninhos eu jamais teria capacidade de avaliar esse detalhe técnico, hehehe. Em 88 eu só queria saber de ver o carro do Senna dando voltas e mais voltas! =P

        Beijos!

      • Olha Mari, não lembro de ninguém reclamando dos sons que eram produzidos por aquelas maravilhas turbos.

        Lembro que a chiadeira foi imensa quando os motores saíram de V10 para V8 e olha, alí eles tinham razão, o som dos V10 é muito mais alto e mais bonito.

        Mas veja, você está dizendo que os V8 tem um som lindo, e nunca ouviu um V10 que tinham um som mais lindo ainda, e para completar os turbos eram conhecidos pela sua potência e o som caracteristico que um turbo produz, então isso é besteira, matéria para chamar a atenção da mídia.

        Compare aí o V10 e o V8.

        Olha o som mais bonito dos V10.

        A Honda tinha o ronco mais bonito.

    • Claudio Cardoso disse:

      Grande Claudemir.

      Vamos analisar os dados que voce passou.

      V6 Turbo
      Potencia 710 cv.

      Bem utilizando uma equaçao muito simples, e que nao reflete a realidade, pois a perda será maior, pois tem o torque que tb irá cair, mas vamos simplificar as contas. Se eu tiver errado, ajuda ai Sirlan.

      710 cv divididos por 6 cilindros = 118 cavalos por cilindro.

      118 x 4 cilindros = 472 cavlos, isso se a gente nao levar em conta a perda do volume de admissao que terá em função da perda dos dois injetores dos outros cilindros.

      472 para 900 cv vamos estar falando de precisar de uma melhora de 52% de eficiencia em relacao ao motor antigo. é uma valor extremamente alto esse.

      Agora eu tenho uma duvida nessa parte .

      “Minha nossa, que besteira sem tamanho falar isso, Lauda, Montezemolo e Ecclestone forma o trio imbecíl da F1.”

      Quem na formula 1 na parte gerencial das equipes faz parte do “trio inteligente ” ?
      Existe para voce ?

      Abraços…

      • Na sua análise está faltando os giros, o RA168E tinha 14.000 rpm, hoje os V8 limitados estão a 18.000 podendo chegar até 21.000, creio que os novos motores trabalharão nesse mesmo regime de giros, o que pode dar mais um pouco de potência para eles.

        Sem contar que dirigentes já afirmaram que esses novos motores começarão com 600cv de potência.

        Sobre o trio imbecíl é só ler o noticiário, só esses três linguarudos é que ficam nos noticíarios falando, falando e falando, algumas vezes coisas com algum sentido, mas outras non sense completa. Como está do ronco dos motores, bah.

      • Claudio Cardoso disse:

        Mas nao comentavam, que vai ter uma reducao de giros tb ?

        600 cavalos, é algo possivel, na conta simples 472, para 600 sao um acrescimo de 27 % de acrescimo. Muito longe dos 52%.

        Com a reducao de giros iria ficar proximo ao que ja giravam antes.

        Ja no site abaixo, estao falando de supercharger e nao mais de turbo.

        Se for isso aqui mesmo, ai é outra historia.

        “trabalha-se com a idéia de um motor biturbo de quatro cilindros e 1.6 litros que geraria, sozinho, cerca de 600 cavalos. Ele traria novidades técnicas que hoje são tão distantes da F-1 quanto um laptop atual seria de um computador dos anos 70. Entre elas, injeção direta de combustível (como nos motores a diesel), taxa de compressão variável, tempo de abertura das válvulas também variável e, claro, múltiplos Kers integrados, que poderiam dar um ganho de até 250 cv durante 24 segundos por volta.”

        Claudemir achei um link falando sobre essas novas tecnologias que podem ser empregadas no motor. Muito bom, acho que vale um post da uma olhada.

        http://www.formulauk.com/formulauk/?p=3694

        Abraços

        Ta sumido do MSN

      • Vitor, o de Recife disse:

        Caros amigos, falando em motores turbo V6, me lembrei dos últimos motores Cosworth utilizados pela finada Champcar: eram batizados de XFE. Eram motores V8, turbo, com capacidade estimada de 750 HP e um limite de giros de 12000 rpm.

        Para quem não acompanhava a categoria e tem curiosidade do ronco que faziam, fica o vídeo abaixo.

        E continua a curiosidade de como os novos F1 irão “gritar” em 2013.

  3. Ffigueiredo disse:

    Ele está preocupado é com a Brand Impression do negócio.

    O som é muito mais que tradição na F1, é uma marca. Se mudar o ronco dos motores de uma hora pra outra, o que teremos é um choque de identificação com a marca.

    Não sei se foi aqui que eu falei, mas eu acho que o som dos motores é tratado na transmissão da TV. Tem vários estouros de redução, que no autódromo a gente escuta nitidamente que não vaza na TV. É a preocupação com a marca.

    Não sei se vc fez essa alusão Mari, mas o som parece daqueles Fuscões velhos 1.6 que quando a gente acelerava bastante e depois reduzia rápido dava uns pipocões….saia até fogo pelo escapamento.

    FF

    • Mari Espada disse:

      Fernando, perfeita descrição!
      “Tem vários estouros de redução, que no autódromo a gente escuta nitidamente que não vaza na TV.”

      Após minha esperiência em Interlagos, eu passei a chamar carinhosamente a minha amada McLaren de pipoqueira!!! Hehehe. =P
      Claro que todos os carros estouravam ao trocar marchas, mas a flecha prateada, o que era aquilo? Uma loucura!!! =D

    • Claudio Cardoso disse:

      Ola Figueiredo.

      Na realidade nem se trata de tratar o som.

      O que acontece, é que é muito dificil a captacao desses sons.

      1: O barulho agudo do motor é mais alto, entao precisaria de um microfone de altissima sensibilidade, e entraria em um outro problema. O Sinal do microfone iria saturar nos agudos para poder pegar aqueles estouros que estao numa frequencia mais grave, seriam necessarios microfones de grandes diafragmas.

      Uma solucao que talvez eu pense para isso, que so testando seria. Coloca um microfone de baixas frequencias, dando o High Cut nele, e do lado um microfone para passar as altas frequencias, e dar um Low Cut nele para nao passar as baixas, e depois mixar ambos os sons.

      Mesmo assim teria-se outro problema, quando fosse cortar para a camera Onboard, iria dar uma puta diferença de som. Logo é mais facil deixar como estar com 1 microfone so.

      Abraços

  4. Joao disse:

    ahh Que saudade do ronco dos V10 .

  5. Nelson disse:

    Em 2014 a F1 terá motor 1.0 – turbo e V-2, movido a alcool.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s