A amizade de Lewis e Jenson está com os dias contados…

Publicado: 18/01/2011 por Mari Espada em Formula1
Tags:, ,

Lewis Hamilton – campeão de 2008 pela McLaren – e Jenson Button – campeão de 2009 pela Brawn GP – se tornaram companheiros de equipe no ano passado. Porém suas carreiras na Fórmula 1 percorreram caminhos muito distintos até este momento.

Ambos fizeram sua estréia na categoria com as melhores equipes inglesas da época, embora a Williams estivesse 2 anos sem vitórias quando Button fez sua estréia com eles em 2000.

Jenson Button era uma espécie de piloto reserva, pois a equipe acabara de perder Alessandro Zanard e Juan Pablo Montoya chegaria apenas em 2001, o que levou Button à Benetton no ano seguinte, onde ele teve uma segunda temporada fraca como a primeira. Apesar de um ano melhor em 2002, ao lado de Jarno Trulli, Button foi descartado pela equipe. E assim ele mudou para a BAR, começando uma temporada de 7 anos com essa equipe que mudaria de nome por duas vezes. Nessa equipe, Button conquistou o vice-campeonato em 2004, apesar da dominância da Ferrari de Schumacher e Barrichello. Dois anos mais tarde, depois que a equipe já se chamava Honda, Button venceu seu primeiro GP em Hungaroring com pista molhada, após ter largado em décimo quarto.

Lewis Hamilton chegou à Fórmula 1 no ano seguinte à primeira vitória de Button, e a sorte desses pilotos ingleses durante a temporada de 2007 não poderiam ter sido mais diferentes. Lewis estreou pela McLaren com um carro competitivo, e teve talento para utilizar isso a seu favor. Ele terminou suas 9 primeiras corridas no podium, mesmo tendo como companheiro de equipe o então bi-campeão mundial Fernando Alonso. E em seu ano de estréia, Lewis ficou à apenas um ponto de conquistar o título. Enquanto isso, a Honda produziu um carro desastroso e Button definhava no final do grid. Em 2008 a Honda trouxe mais do mesmo, e dessa vez Lewis não deixou escapar o título mundial pela McLaren.

Porém a sorte dos pilotos se inverteu em 2009. A McLaren se perdeu no desenvolvimento do carro e só uma recuperação no final da temporada permitiu ao Lewis conquistar duas vitórias na temporada. Enquanto isso a Honda, agora transformada em Brawn GP veio com um carro voador, garantindo ao Button vencer seis das sete primeiras corridas do ano, colocando-o tão à frente no campeonato que não pode ser superado pelas outras equipes e pilotos.

Após essa longa jornada, em 2010, juntos na McLaren, Hamilton terminou o campeonato à frente de seu companheiro de equipe. E contrariando as más línguas, os dois campeões evitaram atritos desnecessários, e mantiveram o ambiente de trabalho saudável, com amizade e respeito mútuos.

Tabela comparativa – F1 Fanatic

Por este e por outros motivos que eu, como fã da equipe de Woking, sempre admirei a parceria de Lewis e Jenson, e os intitulava a melhor dupla de pilotos do grid.

Porém, segundo Martin Brundle esse clima amistoso está próximo do fim, ainda nessa temporada de 2011.  Pois quando Jenson chegou ao território de Lewis em 2010, todos (menos eu) esperavam uma rápida degradação na relação entre os dois campeões do mundo. Mas isso nunca aconteceu. Em vez disso, a dupla continuou a sorrir e insistir que eles trabalhavam muito bem juntos, sendo esta uma declaração apoiada por todos da McLaren.

No entanto, para esse experiente ex-piloto e atual comentarista britânico, neste ano de 2011 essa história pode ter um final diferente. Em sua segunda temporada pela McLaren, Jenson estará mais confortável com a equipe, por isso as chances da dupla estar mais equilibrada e enfrentarem tensas batalhas nas pistas existem.

“Lewis é possivelmente o mais rápido em velocidade absoluta, mas Jenson foi o piloto que deu 49 voltas com um jogo de pneus em Abu Dhabi, sendo que a maioria parou com 11-15 voltas”

“Nós ainda não os vimos competir ponto a ponto. Eles são bons companheiros, mas não há nada mais capaz de desequilibrar essa relação com seu colega de equipe ou qualquer outro piloto do grid, do que uma competição acirrada.”

“Então quando os virmos em absoluta disputa, eu acredito que vamos notar uma dinâmica diferente entre os dois. Se você relembrar a corrida de Istambul, e revir o rosto de Lewis no podium, quando Jenson fez uma ultrapassagem inesperada sobre ele, acho que ali tivemos uma pequena amostra do que poderá acontecer neste ano.”

Eu, particularmente, custo a acreditar que a McLaren (apesar do histórico de rivalidade interna entre Senna e Prost) irá inspirar-se no “italian way of life” e mudar o caráter da equipe, assim como não creio que a dupla inglesa irá inspirar-se nos pilotos da Red Bull e declarar guerra entre si.

Mas é claro que meu coração é movido por uma paixão prateada de alma papaya-orange. Por isso me pergunto: será possível manter a rivalidade nas pistas e a amizade fora delas?

Fonte: F1 Fanatic e Motortweets

Anúncios
comentários
  1. Will disse:

    Mari, li essa entrevista do Brundle ontem (esse cara é um mala!).

    Acho que cabe ao Witmarsh administrar isso. Se você tem um pibull e um labrador, você cria os dois – mas separa os canis.

    Acredito que não vá haver racha – mas não sonho com esse conto de fadas interno que a McLaren viveu em 2010.

    • Mari Espada disse:

      É Will, o conto de fadas acabou…
      Mas eu acho que os meus dois lordes ingleses saberão se comportar mesmo com toda a rivalidade da F1.
      Pelo menos é nisso que quero acreditar! =)

      Beijos!

  2. Marcelo Brum disse:

    Taí um confronto direto que ainda não ocorreu. Há muito mais do que a hegemonia dentro da própria equipe em jogo: há uma enorme disputa caseira pela pela publicidade (dinheiro), pelos fãs e pelo prestígio.
    Ambos recentemente ganharam título, foram condecorados no palácio de Buckingham e angariaram inúmeros fãs tanto em sua terra quanto pelo mundo afora. Tudo isso revela uma disputa equilibrada – não é por nada que os dois se respeitam.
    Apesar de Button já estar há uma década na F1 – contra 4 anos de Hamilton -, ele sabe que do outro lado há um concorrente de peso.

    Só poderemos saber até aonde irá a cordialidade quando a McLaren produzir, outra vez, o melhor carro da temporada. Os dois tem estilos muito diferentes de condução, e Button – com o título de 2009 – efetivamente deixou de ser um mero coadjuvante na F1. Hamilton não aceitou ser segundo nem para Alonso – então, bicampeão.

    Se isso acontecer já nessa temporada, vamos ter uma briga das boas.

    • Mari Espada disse:

      Bem observado, Marcelo.
      A briga ultrapassa os limites de Woking! É uma briga por prestígio e reconhecimento em seu próprio país, perante o público de Silverstone.

      Eu espero que a briga seja realmente boa, para que ambos os pilotos tenham oportunidade de levar muitos pontos para a equipe!
      Mas espero que essa briga fique restrita às pistas. Pois eu não gostaria de ver a McLaren protagonizando a mesma história que a Ferrari ou a Red Bull em 2010.

      Como disse o Will aí em cima, vamos ver como o Witmarsh irá administrar esse canil! Hehehe.

      Beijos!

  3. Claudio Cardoso disse:

    Mari..

    Nao se preocupe, nao será esse ano que teremos os dois brigando.

    Afinal a briga pelo campeonato vai ficar entre Ferrari e Redbull mesmo. a Mclaren vai so fazer figuracao, e os dois poderao viver abraçadinhos e saltitantes, como os “finais felizes para sempre” :-)

  4. Fernando Kesnault disse:

    Amizada no seio da f-1?? Nunca existiu, nao existe e nunca existira, ainda mais hoje em dia e com este cara que se acha o melhor…

    • Mari Espada disse:

      Só sei que essa vida moderna ainda vai destruir o relacionamento humano…
      As pessoas estão se comendo vivas, em nome de um capitalismo auto-destrutivo.

      Mas eu tento manter meu romantismo, e acreditar na sincera amizade entre duas pessoas.

      Beijos!

      • Allan Wiese disse:

        Pode ser que não era verdade, mas pessoas de dentro comentaram que Button deu carona pra Lewis quando Silverstone 2010 acabou. Eu acho que isso pode ser sim amizade.
        Cada um deles tem seu círculo de amigos, já que tiveram relação mais estreita só a partir de 2010, mas creio que eles tem uma ótima relação que pode, inclusive, ser de amizade sincera.

  5. Alex-Ctba disse:

    Não sei Mari, mas a minha torcida é pelo Botão. Tenho essa tendência de sofredor (Corinthiano) e sempre escolho os “losers” ( Massa, Barrichelo, etc ). Em velocidade pura, o Button não consegue alcançar o Hamilton, mas gostaria de vê-lo superando o teu Miltinho na estratégia e na condução mais cerebral, além do cara ser um tremendo de um gente boa, super cavalheiro.

    Lá vou eu para mais um ano de sofrimento na F1…

    • Will disse:

      …e sempre escolho os “losers”.

      Vou morrer de rir Alex!!!

      Mas o Button é muito simpático mesmo.

      • Mari Espada disse:

        O Button não é apenas simpático Will… ele é “O” cara!
        Mas não vou entrar em detalhes, senão me expulsam desse blog, hehehe! =P

    • Mari Espada disse:

      Alex, eu adoro ver essa diferença de pilotagem entre o Button e o Hamilton.
      Acho admirável como dois pilotos conseguem atingir o mesmo objetivo de maneiras tão distintas.

      Mas como torcedora eu ainda prefiro a emocionante pilotagem do Hamilton à fria estratégia do Button. Não tem jeito! =)

      PS. Desejo sorte na síndrome corinthiana, hehehe!

      Beijos!!!

  6. faster F1 disse:

    A McLaren não vai escancarar nada na linha da Ferrari porque não tem a ver com o modo como a empresa é dirigida, até porque, como o Marcelo lembrou, há uma questão mercadológica muito forte: o melhor para a equipe é ter os dois campeões ingleses unidos.
    Nenhum dos 2 tem uma personalidade tipo Webber, então uma briga aberta como da Red Bull é difícil de imaginar.
    Mas isso não quer dizer que tudo correu/correrá às mil maravilhas. É normal que ambos façam pressão, cada um a sua maneira, para ter tudo de melhor na equipe – e depois ajam como se fossem os melhores amigos.
    Acho que o problema dessa dupla é que eles acertam o carro de jeito muito diferente. Quando ouvimos Lewis dizer que o carro estava ótimo, Jenson reclama de aderência e vice-versa. Talvez isso tenha atrapalhado no desenvolvimento do carro e seja um problema no futuro, o que vcs acham?

    Julianne

    • Allan Wiese disse:

      Os dois tem estilos muito diferentes, sem dúvida. E isso ficou muito claro em Silverstone, quando Hamilton disse que queria o EBD pra sábado e domingo e Button disse que não. E mesmo na Alemanha, quando a equipe usou o dispositivo, Hamilton sentiu melhoras consideráveis no carro e Button disse que estava com problemas.
      E é interessante essa questão que você levantou, quanto à trazer dificuldades para o desenvolvimento do carro. Como não é possível ter dois carros diferentes, então isso pode atrapalhar realmente. Mas não temos como saber até que ponto isso influencia realmente, já que mesmo com um carro não dominante, a McLaren tinha seus dois pilotos na briga até a penúltima prova e Lewis disputou o título até o final…

      • Em Spa eles correram com asas dianteiras diferentes, treinaram com a asa que o Button usou durante a corrida, mas apenas os treinos livres, no classificatório a configuração foi essa da foto. Hamilton com a asa antiga e Button com a nova, que seria mudada mais uma vez para Cingapura, sendo essa a versão final da temporada.

        Então onde quero chegar?

        Que se a equipe tem capital para desenvolver peças para cada piloto, ela desenvolve, os carros não precisam ser 100% identicos, só mudado nas regulagens. Já o chassi tem que ser igual.

        Asa usada em Cingapura, evolução da asa usada em Spa.

      • Allan Wiese disse:

        Sem dúvidas Claudemir. Até tinha esquecido desse episódio. Mas a questão principal, ou o que mais acarreta em desempenho, são alterações no chassi. E esse tem que ser igual para os dois carros.

  7. Allan Wiese disse:

    Vejam esse vídeo e percebam a diferença dos estilos de Button e Hamilton. Enquanto Hamilton é mais rápido do que seu tempo de pista “com a cabeça” Button, muito mais conservador, é 7 segundos mais lento do que seu tempo de pista.
    Mas eu aprendi a admirar o estilo de Button. Seu início de 2009 agressivo e depois a administração da vantagem foram impressionantes. Mas não se pode dizer que ele é apenas conservador porque em Interlagos 2009 ele buscou o resultado que precisava pra garantir o título com uma prova de antecedência.
    Agora o Hamilton dispensa comentários de minha parte. O cara vai pra cima. Se ele vê um espaço, coloca o carro ali do lado (mesmo que o espaço às vezes não seja suficiente).
    E a comparação entre os estilos dos dois depende sempre da opinião de cada um. Mas ano passado, depois de Cingapura, enquanto discutíamos esse assunto, o Leandro Magno falou algo extremamente verdadeiro: Button não tinha abandonado nenhuma prova por erro individual e Hamilton já tinha dois abandonos mas ainda assim estava na frente de Button no WDC. Magno concluiu que vale a pena ser agressivo como Hamilton. E eu sou obrigado a concordar com ele.

  8. faster F1 disse:

    Respondendo ao Claudemir acima, também acho que, se há uma equipe com dinheiro e competência para desenvolver peças ao gosto de seus pilotos, é a McLaren. Mas minha questão é outra. Numa categoria tão competitiva, talvez esse feedback diferente dos pilotos atrapalhe na hora de optar por um caminho no desenvolvimento, faça perder tempo.
    Me lembro das entrevistas deles no GP do Brasil. No sábado, Lewis elogiou o carro e Jenson disse que estava inguiável. No domingo, o inverso. Imagine a cabeça dos engenheiros!
    Não é o caso de dizer que eles nunca vão ganhar um campeonato assim, longe disso, só é uma dificuldade a mais que pode fazer diferença quando se briga por décimos de segundo.

    • Mari Espada disse:

      “só é uma dificuldade a mais que pode fazer diferença quando se briga por décimos de segundo.”

      Claro que fará a diferença…
      Grandes dificuldades proporcionam grandes soluções!!! =D

      Go McLaren!

      • Julianne, vamos dar tempo ao Button, em 2010 o carro não foi concebido com opiniões dele e ele era um novato aprendendo tudo sobre a nova casa. Era natural haver reclamações de acertos e peças durante a temporada.

        Tirando o chassi que é padrão para ambos os carros, os acertos e peças podem fazer uma grande diferença no estilo de cada piloto. Lembra como o Barrichello penou no início da temporada de 2009 por causa dos freios e como depois de solucionado esse problema ele começou a andar mais rápido que o Button?

        Eram freios e marcas diferentes em ambos os carros, então por essa razão creio que ele pode tirar na técnica e evolução do carro a diferença para o Hamilton, isso se a McLaren acatar as opniões e idéias dele, mesmo que isso afete diretamente o estilo de pilotagem do Hamilton.

        Trocando em miúdos…

        Hamilton terá que desenvolver seu próprio carro caso Button resolva seguir acertos e peças diferentes, fato que acredito que a equipe dará apoio pleno, o que não é o caso da Ferrari que sempre entrega o mesmo carro para ambos os pilotos e deixa a cargo deles apenas os acertos, peças são sempre iguais.

      • Claudio CArdoso disse:

        Claudemir ->
        “Julianne, vamos dar tempo ao Button, em 2010 o carro não foi concebido com opiniões dele e ele era um novato aprendendo tudo sobre a nova casa. Era natural haver reclamações de acertos e peças durante a temporada.”

        O Interessante é o que ficou meio sem logica até, foi que no inicio do Ano o Button andava mais rapido ou proximo do Hamilton, e do meio pro fim que começou a perder e muito pro Hamilton.

        Quando a logica diria que ele mais acostumado coma equipe e com o equipamento iria melhorar em relacao ao Hamilton, foi justamente o oposto que aconteceu.

      • Este ponto de vista seu Claudio está correto…

        Eu também não entendi o porque ele não melhorou, porém a questão de começar melhor e até liderar o mundial foi questão de sorte, não melhor adaptação que o Hamilton.

      • Claudio CArdoso disse:

        a unica explicacao, isso no campo do talvez, é que o carro tivesse ficado mais ao estilo dele do que do Hamilton, e com o passar das corridas o Hamilton se adaptou ao carro.

        É a unica explicacao que vejo para isso.

      • Allan Wiese disse:

        Essa explicação é razoável. E li por aí que depois das tentativas de EBD da McLaren o 25 ficou mais “chucro”. Hamilton consegue tirar tempo de carro meia boca, já Button precisa de um carro redondinho…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s