FEE: escapamento do R31 é até agora a maior inovação

Publicado: 01/02/2011 por Allan Wiese em Artigos, Formula1
Tags:,

Este slideshow necessita de JavaScript.

Se o desempenho será espantoso, não sabemos ainda.

Mas uma coisa é certa: dos carros lançados até aqui, a maior inovação percebida foi o escapamento do R31 – FEE  (Front Exhaust Exit – Saída frontal de escapamento).

O “Espião da Fórmula 1”, como Craig Scarborough é chamado nas transmissões oficiais aqui no Brasil, postou em seu blog ótimas informações, além de desenhos e fotos desse dispositivo.

Para que um difusor crie downforce ele precisa do maior fluxo de ar possível passando por ele. Os times encontram uma série de dispositivos aerodinâmicos para criar uma região de alta pressão ao redor do assoalho para garantir o maior fluxo sob o difusor. Isso vai então para toda a extensão do difusor para que esse fluxo de ar possa passar por ele. Os difusores do ano passado aumentaram a pressão na parte de trás do carro, mas não na área à frente do assoalho.  O que a Renault fez foi deixar a saída do escapamento entre os “sidepods”, os chassis e os radiadores, direcionando-a para o início da entrada do fluxo de ar do assoalho. Isso acelera o fluxo de ar debaixo do assoalho para uma maior massa de ar e também mais downforce.

Ponto de saída dos gases de escapamento no FEE

Craig fala que os problemas que o FEE (Front Exhaust Exit – Saída frontal de escapamento) pode gerar são o calor e lidar com o mapeamento do motor para a nova configuração de escapamento. Geralmente “tubos” de escapamento compridos são melhores para baixas rotações, o que não é o caso dos F1.

Explicação do fluxo de ar no FEE

Como dito no início, a inovação está lançada. Resta saber se ela será copiada e se gerará diferenças perceptíveis de performance para que valha a pena a cópia. Mas de todo modo, parabéns aos engenheiros da Renault pela inovação.

Fonte: http://scarbsf1.wordpress.com/2011/02/01/renault-r31-front-exit-exhausts-fee-explained/

comentários
  1. Will disse:

    Eu achei confuso a primeira vista, mas parece interessante…se vai funcionar é outra história.

  2. Ainda não entendi direito esse FEE, mas vou dizer logo de antemão, copiar ele vai ser trabalhoso demais, mas inda nem sabemos se o negócio dá certo, então…

    • Allan Wiese disse:

      É como o próprio Craig disse no seu post: é como no caso do F-duct. Para copiar inteiramente é necessário alterar o chassis, o que não é permitido…

    • Vitor, o de Recife disse:

      Deve ser trabalhoso mesmo para copiar… mas levando em conta que as equipes conseguiram implantar o difusor duplo em 2009, não é nada impossível.

      Se der alguma vantagem significativa, será prontamente copiado; mas a Renault já sairia na frente. Seria um pulo do gato igual aos amortecedores de massa? A conferir…

  3. Sirlan Pedrosa disse:

    Claudemir,

    Pelo que eu entendi é o seguinte :

    Ano passado a Red Bull usou os gases do escape para acelerar o fluxo de ar na saída do difusor, e como nos diz a física no princípio do venturi quanto maior a velocidade menor a pressão.

    Acho que a idéia da Renault é acelerar o fluxo de ar não mais no difusor, mas no assoalho. Seria um assoalho soprado…

    Pode funcionar ? na teoria sim.

    É difícil de copiar ? Não, porque em tese trata-se de relocar radiadores e canos de escape, além do já mencionado trabalho de isolar.

    O que eu acho ? A idéia é simples e genial, mas não sei a alternância de fluxo dos escapes pode fazer com que a pressão sob o carro varie tanto, que ao invés de melhorar os tempos de volta eles piorem em função de um desequilíbrio.

    Um abraço,

    Sirlan Pedrosa

    • Will disse:

      Caramba…esses engenheiros e sua máquinas maravilhosas!

      O cara pensa e Eureka! Se eu aquecer o ar que passa sob meu chassis a pressão será menor e o carro grudará no asfalto nas curvas!

    • Pedro Jungbluth disse:

      Sirlan, pensei o mesmo que você. Em teoria o sistema dá mais downforce, em linha reta com o motor em rotação estável, situação em que o downforce não é muito nescessário… Em curvas e acelerações fortes, o sistema vai depender de calibração. Para uma boa calibração, em mecânica, sempre existem perdas e ganhos, então nada é garantido que a idéia em si apenas gere mais resultados para a Renault.

      • Will disse:

        Aí é que entra o trabalho da engenharia de motores, um mapeamento pode ser feito para garantir um melhor aproveitamento desse sistema em curvas…

  4. Bruno disse:

    Chá de zabumba. Ou então o Petrov tá levendo muita Vodka pros engenheiros.

    Será que não pode rolar um contra-fluxo aí não?

  5. […] um desastre!Valencia Tests: day #2Testes Valencia: Dia #3Análise : Williams FW33 – Agressivo!FEE: escapamento do R31 é até agora a maior inovaçãoOnde está o escapamento do STR6?Análise do segundo dia de testes em Valência!Como é feito um […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alteração )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alteração )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alteração )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alteração )

Conectando a %s